ESTRATÉGIAS

Trata-se de um desvio do desenvolvimento linguístico face à norma, sendo uma patologia com uma maior severidade do que a anterior e com possíveis manifestações no domínio da leitura e da escrita.

  • Nas crianças diagnosticadas com esta patologia, é importante estimular diariamente a capacidade de dizer o nome de palavras, de acordo com a sua categoria (ex. roupas), do seu atributo (ex. vermelhos) ou de ambas, de forma a melhorar o acesso à área lexical. Importa começar por um número reduzido de itens e ir aumentando-os gradualmente. Uma outra estratégia é recorrer ao uso do cronómetro, em fases mais avançadas, pois, regra geral, estas crianças apresentam um tempo de resposta bastante aumentado.
  • Importa trabalhar, no domínio lexical, a capacidade de definirem palavras (ex. o que é uma caneta?) e de associarem e diferenciarem conceitos (ex. em que difere uma caneta de um lápis?).
  • No domínio sintático, estas crianças tendem, até uma fase tardia do desenvolvimento, a produzir frases confusas e com diversas lacunas a nível estrutural. Importa ir registando as produções das crianças de forma a poder trabalhá-las individualmente para que estas comecem a ser capazes de as identificar e, posteriormente, de as corrigir.
  • Em muitas situações, as perturbações específicas da linguagem manifestam-se nas aprendizagens escolares, nomeadamente na capacidade para compreenderem perguntas de interpretação ou recursos expressivos, bem como na capacidade para escreverem um texto estruturado e com frases gramaticais. Nestas situações importa estimular, paralelamente, o domínio da linguagem e o domínio da leitura/escrita.